Brazil: As sociedades limitadas como instrumento de investimento globalizado após a MP 881/19

Last Updated: 16 August 2019
Article by Mariana Maduro

É a globalização das sociedades limitadas e a educação ao empresariado brasileiro para, desde cedo, incorporar a forma globalizada de administrar, gerir e financiar um negócio.

Como se sabe, as sociedades do tipo limitada (reguladas pelo capítulo do Código Civil compreendido entre os artigos 1.052 e 1.087) compõem, em números, a maioria dos veículos de investimento utilizados no Brasil para exploração de atividade econômica.

A título de exemplo, na Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro - JUCERJA, de janeiro a agosto de 2019, foram constituídas 12.307 sociedades limitadas (LTDA), 11.413 empresas individuais de responsabilidade limitada (EIRELI) contra apenas 191 sociedades anônimas (S.A). Em um cenário de 28.683 arquivamentos de veículos para exploração de atividade empresária (empresário individual, sociedades limitadas, sociedades anônimas, empresa individual de responsabilidade limitada, cooperativas, consórcio/ outras sociedades)1 no mesmo período, estamos falando de uma representatividade das sociedades limitadas equivalente a 43% do total de arquivamentos na JUCERJA. Somando EIRELI e LTDA, o percentual salta para 82%.

Assim, não há dúvidas de que o empresariado brasileiro, independente do volume financeiro movimentado, escolheu os veículos de responsabilidade limitada regidos pelo Código Civil (LTDA e EIRELI) como o formato de negócio mais confortável para explorar as atividades que movimentam a nossa economia.

Esse fenômeno se deve a alguns fatores, dentre os quais destaco: (i) a vontade de separação patrimonial entre os bens da pessoa que explora a atividade e os do seu veículo para a exploração (personalidade jurídica); (ii) regras de contabilidade, em princípio, mais simples do que as aplicáveis às sociedades anônimas; (iii) regime de publicidade mais brando, se comparado ao qual se submetem as sociedades anônimas; e (iv) a ideia de que sociedades anônimas são veículos criados para explorar grandes negócios, e sociedades limitadas, para pequenos e médios.

Vale dizer que as EIRELIs, criadas a partir da lei 12.441/11, que acrescentou, dentre outros, o artigo 980-A ao Código Civil, inovaram ao permitir que uma única pessoa (física ou jurídica), sem necessidade de se associar a terceiros, possa explorar um negócio mantendo a limitação de responsabilidade inerente às sociedades limitadas. Com isso, pretendeu-se eliminar a figura do “sócio fantasma”, que apenas empresta seu nome para o empreendedor satisfazer o requisito legal de pluralidade de sócios antes exigido para a constituição de sociedade com responsabilidade limitada.

Contudo, a regra não veio para facilitar a vida de todos. O caput do artigo 980-A do Código Civil exige que o titular da EIRELI integralize o capital social com dinheiro ou bens que equivalham ao valor de 100 salários mínimos vigentes à época de constituição da EIRELI e, ainda, que esse valor seja totalmente integralizado de imediato, não se admitindo a integralização do capital social ao longo do tempo, como é permitido aos sócios de sociedades limitadas e anônimas.

Embora ainda assim a EIRELI tenha conseguido a adesão dos empreendedores brasileiros, ela apenas serve àqueles que conseguem justificar perante a receita federal um patrimônio com lastro suficiente para adquirir uma empresa à vista no valor de 100 salários mínimos (hoje, por exemplo, isso significaria ter patrimônio justificável de R$99.800,002).

Outro problema enfrentado quando estamos diante de reestruturações societárias, planejamentos tributários e/ou sucessórios é que as juntas comerciais não admitem que as EIRELIs sejam as únicas sócias das sociedades subsidiárias integrais (artigos 251 a 253 da lei 6.404/76). Assim, quando uma companhia estrangeira, por exemplo, quer estruturar algum negócio Brasil através de sociedades anônimas, sempre precisa de um sócio para criar uma sociedade limitada e, então, esta LTDA ser a controladora da subsidiária integral (que não admite como único sócio sociedade estrangeira).

Esse problema, no entanto, caso a MP 881/19 seja convertida em lei, será sanado. O artigo 1.052 do Código Civil foi alterado pela MP 881/19, passando a admitir expressamente a constituição de sociedade limitada unipessoal. Com isso, tanto os “sócios fantasmas”, quanto o problema hoje enfrentado por empresas estrangeiras que buscam explorar atividade no Brasil por meio da constituição de subsidiárias integrais, restam resolvidos. Com essa alteração, já é possível, por exemplo, criar uma sociedade limitada unipessoal com seu único sócio sendo a empresa estrangeira na qualidade de holding no Brasil e, depois, essa holding, sem precisar envolver um terceiro, criar as suas sociedades anônimas subsidiárias integrais. É um grande avanço.

Além disso, diferente da EIRELI, a sociedade limitada unipessoal não exige capital social mínimo, o que permite a qualquer pessoa explorar uma empresa sem se associar a terceiros e sem ter que comprovar a origem dos bens que tenham servido à integralização do capital social equivalente a 100 vezes o salário mínimo vigente. Isso é o fim da discriminação de pessoas com menor capacidade financeira e estímulo à regularização de suas atividades.

Outro ponto inovador trazido pelo PLC 17/19 e que promete revolucionar a sistemática das LTDAs diz respeito ao seu controle. Atualmente, o artigo 1.076 do Código Civil estabelece, na prática, que o controle de uma sociedade limitada só é garantido ao detentor de quotas que representem, pelo menos, 75% do capital social da sociedade, diferente das sociedades anônimas, que, se fechadas, podem ser controladas com ações que representem metade, no mínimo, do capital social votante (artigo 136 da lei 6.404/76) e, se abertas, esse percentual pode representar frações de capital social votante ainda menores.

O PLC 17/19 altera os quóruns do referido artigo 1.076 do Código Civil, passando a prever que as principais matérias que costumam caracterizar o controle de uma sociedade (nomeação e destituição de administradores, aprovação de contas dos administradores e a sua remuneração, alteração do contrato social, pedido de recuperação judicial) passem a ser aprovadas por sócios que detenham quotas correspondentes a, no mínimo, mais da metade do capital social.

Não sabemos como será a regra de transição, quanto às sociedades limitadas constituídas sob a égide da atual regra do Código Civil, mas fato é que, com isso, as sociedades limitadas voltam a ser sociedades cujo controle se exerce com maioria de capital e, não, com mais de 75%.

Outra novidade é a possibilidade de emissão de quotas preferenciais com o direito de voto restrito total ou parcialmente, a despeito do que já é facultado às sociedades anônimas. Em que pese ser possível a emissão de quotas preferenciais no atual regramento das sociedades limitadas, a doutrina majoritária entende que tais quotas, no entanto, não podem ter o direito de voto a elas atrelado suprido3.

Somado a tais novidades, uma das que mais chama a atenção para o PLC 17/19 é a autorização para sociedades limitadas emitirem debêntures4. Uma das principais vantagens das sociedades anônimas sobre as limitadas é a pluralidade de instrumentos de capitalização admitidos pela lei 6.404/76. Como veremos a seguir, com o PLC 17/19, às sociedades limitadas foi conferido o direito de emitir debêntures através de ofertas privadas.

Fato é que, hoje, em que pese a instrução 480/09 da CVM admita que outros tipos societários, diversos das sociedades anônimas, sejam emissores de valores mobiliários5, na prática, o maior veículo de exploração de negócios do Brasil - as LTDAs - não consegue realizar oferta de debêntures – o valor mobiliário mais negociado no mercado brasileiro.

Ilustrativamente, de acordo com dados da ANBIMA6 relativos a emissões domésticas (renda fixa, renda variável e híbridos) ocorridas no ano de 2018, de um volume de R$238.481 milhões, a emissão de debêntures representou mais de 62% dos instrumentos emitidos para capitalização das companhias, contra menos de 0,5% de emissão de ações (unindo ofertas iniciais de ações -IPO – e ofertas secundárias de ações – follow-on).

É gritante como, assim como as sociedades limitadas representam o maior número de veículos de investimento registrados no Brasil, as debêntures representam a maior fonte de capitalização das empresas brasileiras via mercado de capitais.

Como se vê, as debêntures – cuja natureza é de mútuo - são culturalmente muito bem aceitas pelo mercado brasileiro. Pelo lado do investidor, dentre outros motivos, um dos principais se deve ao fato de a debênture representar um crédito muitas vezes acompanhado de uma garantia. Pelo lado da companhia, se destaca o fato de a companhia receber aporte financeiro sem alterar a sua estrutura acionária, sem ter que realizar ofertas públicas de ação e sem precisar se submeter a contratos de empréstimos bancários muitas vezes pouco vantajosos para o negócio.

Se o PLC 17/19 for convertido em lei – e assim espera o mercado – os pequenos e médios empresários poderão se aventurar, passando a experimentar uma nova forma de financiamento, muitas vezes, das mais eficazes e menos impactantes no dia a dia da empresa. Ainda que as alterações sugeridas ao artigo 1.055 do Código Civil prevejam a possibilidade apenas de ofertas privadas de debêntures (ou seja, não serão lançadas em bolsa de valores ou mercado de balcão), ainda assim se revela como instrumento que pode ser oferecido a investidores habituais do mercado de capitais.

Vamos, muito provavelmente, testemunhar unicórnios vestidos de sociedade limitada estartups sem que para tanto precisem se transformar de sociedade limitada para sociedade anônima, para receber investimentos e aportes de investidores institucionais e fundos de investimento. É provável, também, que os famosos “mútuos conversíveis” comecem, aos poucos, a dar espaço a debêntures – por que não – conversíveis em quotas.

É importante ressaltar ainda que a possibilidade de emissão de debêntures por sociedades limitadas não servirá apenas para trazer a estas sociedades uma forma mais eficiente de financiamento e com menor impacto na sua estrutura decisória, mas, também, uma forma de tornar cada vez mais as sociedades limitadas organizadas e prontas para, quem sabe, uma abertura de capital dentro ou fora do país ou mesmo para receber aporte de capital estrangeiro.

Ao ofertar valores mobiliários no mercado de valores mobiliários, uma empresa fica sujeita a regras de compliance e de governança corporativa impostas tanto pela CVM e pela B3, quanto pelo próprio mercado. Isso significa dizer que as sociedades limitadas que resolverem se submeter à emissão privada de debêntures, visando investidores acostumados a investir em companhias submetidas a esses regimes, muito provavelmente serão cobradas por tais investidores a adotar algumas das regras de compliance e de governança às quais as companhias abertas estão sujeitas.

A tendência será criar, desde o projeto embrionário, empresas capazes de serem atrativas, com capacidade de prestar informação de maneira clara e direta ao investimento interno e estrangeiro. Capacitar os sócios e gestores de sociedades limitadas a, desde o início, aplicarem o modelo de gestão internacional, tornando as sociedades limitadas cada vez mais atrativas aos grandes investidores.

É a globalização das sociedades limitadas e a educação ao empresariado brasileiro para, desde cedo, incorporar a forma globalizada de administrar, gerir e financiar um negócio.

É o Brasil se desenvolvendo.

Footnotes

1 Disponível aqui - acesso em 1/8/19

2 Com base no valor estabelecido pelo decreto 9.661/19.

3 Nesse sentido, vide Enunciado 35 da JUCERJA: “É permitida a criação de quotas de diferentes classes pela sociedade limitada, porém é vedado restringir o direito de voto.

Parágrafo único: Não é permitida a criação de quotas sem valor nominal; porém é permitida a criação de classes de quotas com valores nominais diferentes.”

4 Nesse sentido, o PLS 487/13 e o PL 1.572/11 já propõem a emissão de debêntures pelas LTDAs há alguns anos.

5 Artigo 1º, § 2º O emissor de valores mobiliários deve estar organizado sob a forma de sociedade anônima, exceto quando esta Instrução dispuser de modo diverso.

Art. 33. Os emissores que emitam exclusivamente notas comerciais e cédula de crédito bancário – CCB, para distribuição ou negociação pública, podem se organizar sob a forma de sociedade anônima ou sociedade limitada.

Parágrafo único. Além das formas societárias previstas no caput, emissores que emitam exclusivamente notas comerciais do agronegócio – NCA, para distribuição ou negociação pública, podem se organizar sob a forma de cooperativa agrícola.

6 Disponível aqui.

The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Related Topics
 
Related Articles
 
Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter
 
Mondaq Free Registration
Gain access to Mondaq global archive of over 375,000 articles covering 200 countries with a personalised News Alert and automatic login on this device.
Mondaq News Alert (some suggested topics and region)
Select Topics
Registration (please scroll down to set your data preferences)

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including your content preferences, for three primary purposes (full details of Mondaq’s use of your personal data can be found in our Privacy and Cookies Notice):

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting to show content ("Content") relevant to your interests.
  • To enable features such as password reminder, news alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our content providers ("Contributors") who contribute Content for free for your use.

Mondaq hopes that our registered users will support us in maintaining our free to view business model by consenting to our use of your personal data as described below.

Mondaq has a "free to view" business model. Our services are paid for by Contributors in exchange for Mondaq providing them with access to information about who accesses their content. Once personal data is transferred to our Contributors they become a data controller of this personal data. They use it to measure the response that their articles are receiving, as a form of market research. They may also use it to provide Mondaq users with information about their products and services.

Details of each Contributor to which your personal data will be transferred is clearly stated within the Content that you access. For full details of how this Contributor will use your personal data, you should review the Contributor’s own Privacy Notice.

Please indicate your preference below:

Yes, I am happy to support Mondaq in maintaining its free to view business model by agreeing to allow Mondaq to share my personal data with Contributors whose Content I access
No, I do not want Mondaq to share my personal data with Contributors

Also please let us know whether you are happy to receive communications promoting products and services offered by Mondaq:

Yes, I am happy to received promotional communications from Mondaq
No, please do not send me promotional communications from Mondaq
Terms & Conditions

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd (Mondaq). Mondaq grants you a non-exclusive, revocable licence to access the Website and associated services, such as the Mondaq News Alerts (Services), subject to and in consideration of your compliance with the following terms and conditions of use (Terms). Your use of the Website and/or Services constitutes your agreement to the Terms. Mondaq may terminate your use of the Website and Services if you are in breach of these Terms or if Mondaq decides to terminate the licence granted hereunder for any reason whatsoever.

Use of www.mondaq.com

To Use Mondaq.com you must be: eighteen (18) years old or over; legally capable of entering into binding contracts; and not in any way prohibited by the applicable law to enter into these Terms in the jurisdiction which you are currently located.

You may use the Website as an unregistered user, however, you are required to register as a user if you wish to read the full text of the Content or to receive the Services.

You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these Terms or with the prior written consent of Mondaq. You may not use electronic or other means to extract details or information from the Content. Nor shall you extract information about users or Contributors in order to offer them any services or products.

In your use of the Website and/or Services you shall: comply with all applicable laws, regulations, directives and legislations which apply to your Use of the Website and/or Services in whatever country you are physically located including without limitation any and all consumer law, export control laws and regulations; provide to us true, correct and accurate information and promptly inform us in the event that any information that you have provided to us changes or becomes inaccurate; notify Mondaq immediately of any circumstances where you have reason to believe that any Intellectual Property Rights or any other rights of any third party may have been infringed; co-operate with reasonable security or other checks or requests for information made by Mondaq from time to time; and at all times be fully liable for the breach of any of these Terms by a third party using your login details to access the Website and/or Services

however, you shall not: do anything likely to impair, interfere with or damage or cause harm or distress to any persons, or the network; do anything that will infringe any Intellectual Property Rights or other rights of Mondaq or any third party; or use the Website, Services and/or Content otherwise than in accordance with these Terms; use any trade marks or service marks of Mondaq or the Contributors, or do anything which may be seen to take unfair advantage of the reputation and goodwill of Mondaq or the Contributors, or the Website, Services and/or Content.

Mondaq reserves the right, in its sole discretion, to take any action that it deems necessary and appropriate in the event it considers that there is a breach or threatened breach of the Terms.

Mondaq’s Rights and Obligations

Unless otherwise expressly set out to the contrary, nothing in these Terms shall serve to transfer from Mondaq to you, any Intellectual Property Rights owned by and/or licensed to Mondaq and all rights, title and interest in and to such Intellectual Property Rights will remain exclusively with Mondaq and/or its licensors.

Mondaq shall use its reasonable endeavours to make the Website and Services available to you at all times, but we cannot guarantee an uninterrupted and fault free service.

Mondaq reserves the right to make changes to the services and/or the Website or part thereof, from time to time, and we may add, remove, modify and/or vary any elements of features and functionalities of the Website or the services.

Mondaq also reserves the right from time to time to monitor your Use of the Website and/or services.

Disclaimer

The Content is general information only. It is not intended to constitute legal advice or seek to be the complete and comprehensive statement of the law, nor is it intended to address your specific requirements or provide advice on which reliance should be placed. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the Content for any purpose. All Content provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers hereby exclude and disclaim all representations, warranties or guarantees with regard to the Content, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. To the maximum extent permitted by law, Mondaq expressly excludes all representations, warranties, obligations, and liabilities arising out of or in connection with all Content. In no event shall Mondaq and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use of the Content or performance of Mondaq’s Services.

General

Mondaq may alter or amend these Terms by amending them on the Website. By continuing to Use the Services and/or the Website after such amendment, you will be deemed to have accepted any amendment to these Terms.

These Terms shall be governed by and construed in accordance with the laws of England and Wales and you irrevocably submit to the exclusive jurisdiction of the courts of England and Wales to settle any dispute which may arise out of or in connection with these Terms. If you live outside the United Kingdom, English law shall apply only to the extent that English law shall not deprive you of any legal protection accorded in accordance with the law of the place where you are habitually resident ("Local Law"). In the event English law deprives you of any legal protection which is accorded to you under Local Law, then these terms shall be governed by Local Law and any dispute or claim arising out of or in connection with these Terms shall be subject to the non-exclusive jurisdiction of the courts where you are habitually resident.

You may print and keep a copy of these Terms, which form the entire agreement between you and Mondaq and supersede any other communications or advertising in respect of the Service and/or the Website.

No delay in exercising or non-exercise by you and/or Mondaq of any of its rights under or in connection with these Terms shall operate as a waiver or release of each of your or Mondaq’s right. Rather, any such waiver or release must be specifically granted in writing signed by the party granting it.

If any part of these Terms is held unenforceable, that part shall be enforced to the maximum extent permissible so as to give effect to the intent of the parties, and the Terms shall continue in full force and effect.

Mondaq shall not incur any liability to you on account of any loss or damage resulting from any delay or failure to perform all or any part of these Terms if such delay or failure is caused, in whole or in part, by events, occurrences, or causes beyond the control of Mondaq. Such events, occurrences or causes will include, without limitation, acts of God, strikes, lockouts, server and network failure, riots, acts of war, earthquakes, fire and explosions.

By clicking Register you state you have read and agree to our Terms and Conditions